sábado, 21 de fevereiro de 2009

POSTO PÚBLICO

Naquele tempo, além das estradas e da visita diária do carteiro, o único meio de comunicação da aldeia com o exterior era o telefone do posto público. 
Receber um telefonema era tão raro e tão invulgar que constituía um acontecimento na aldeia. As pessoa tremiam quando eram chamadas ao telefone, visto como meio funesto de trazer de muito longe novas que ninguém queria receber,no entanto também transportava boas novas.
Como era necessário chamar ao posto público a pessoa a quem o telefonema  se destinava, para reduzir o custo da mesma, a pessoa que efectuava a ligação desligava e voltava a ligar enquanto um puto que estivesse a jeito corria a buscar o destinatário do telefonema.
Entretanto, inexplicavelmente, espalhava-se a notícia e quando a pessoa atendia o telefone já metade da aldeia sabia que a pessoa tinha recebido uma chamada e procurava inteirar-se das razões que justificavam tal extravagância.

Sem comentários:

O TEMPO JÁ NÃO É O QUE ERA

Em alguns locais da vila de Oliveira de Frades o gelo atingiu "quase um metro". A "saraivada" ocorreu cerca das 16...