terça-feira, 29 de novembro de 2011

ANTA PINTADA de ANTELAS











Monumento Nacional desde 1990, reconhecido pelo interesse das  pinturas rupestres que decoram a sua câmara, considerado um dos mais bem conservados de toda a Península Ibérica.
No blogue existem alguns artigos que desenvolvem com maior amplitude a sua constituição e descrevem em pormenor a riqueza da mesma.
No entanto, lamento que este Monumento Nacional, esteja completamente dissociado da manutenção que lhe é devida, chegando ao cúmulo de todo o terreno circundante se encontrar abandonado, fluindo com generosidade todo o tipo de ervas e vegetação daninha. Continuando esta minha discrição, os acessos estão deploráveis não dando aos possíveis visitantes qualquer tipo de sinalização,de que a uma centena de metros se encontra um Monumento Nacional, a preservar....
Faço daqui um apelo ao Engº  Luís Martins Vasconcelos actual Presidente da Câmara de Oliveira de Frades, para que seja dada mais atenção a esta situação!

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

ANTELAS-2011




DA MINHA ALDEIA vejo quando da terra se pode ver no Universo....
Por isso a minha aldeia é grande como outra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a única riqueza é ver.

   Alberto Caeiro, em "O Guardador
   de Rebanhos".



quinta-feira, 29 de setembro de 2011

O Capador



Um obrigado ao capador de Campia pelo abraço de amizade que trocámos, e pelo reviver de alguns momentos da minha infância.
A maioria das pessoas que vivem nas aldeias e outras que emigraram, certamente ainda se recordam, do tempo em que em todas as casas havia o “porco” para matar cuja carne iria ajudar na alimentação da família durante o Inverno.
O porco era comprado ainda pequeno para criar, até atingir o tamanho ideal e dar aí umas 8 ou 9 arrobas de peso, após o que estava pronto para a “matança” ou “matação”.
A matança do porco era uma festa, uma celebração anual, para família, amigos e vizinhos que sendo convidados para ajudar, eram depois recompensados com uns saborosos petiscos.
Durante os trabalhos da matança, da limpeza, retirada das vísceras bebia-se aguardente acompanhada de bolos e frutos secos.
O almoço era o sangue cozido, temperado com cebola, salsa, azeite e vinagre. Vinha depois o guisado, com um pouco de lombo e fígado, tudo acompanhado de um bom vinho tinto.
Continuavam os trabalhos de preparação das carnes para guardar na salgadeira, porque frigorífico ou arca congeladora, naquele tempo, era coisa que não existia.
Faziam também a miga que alguns dias mais tarde iriam dar nas saborosas chouriças.
Preparavam-se as banhas para fritar, no que resultava a banha e os saborosos torresmos.
Ao jantar todos novamente reunidos e era altura de se comer um cozido de grão, com a língua, o coração, as orelhas e os pezinhos.
Pela noite fora contavam-se histórias, cantava-se, enfim fazia-se festa.
O “capador” era o homem que capava os pequenos porcos para que eles crescessem sem pensar nas suas parceiras. Se não fossem "capados" a sua carne mais tarde viria a ter cheiro e sabor a "barrasco" que não é nada bom.
Por vezes quando algum animal adoecia, era também chamado para dar uma “consulta”.
O homem chegava, aconselhava esta ou aquela mezinha e a coisa quase sempre se resolvia.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

A Floresta-PINHEIRO





É uma árvore média, alcançando entre 20 a 35 metros. A copa das árvores jovens é piramidal, e nas adultas é arredondada. O tronco está coberto por uma casca espessa, rugosa, de cor castanho-avermelhada e profundamente fendida. A sub-espécie mediterrânica tende a possuir casca mais espessa, que pode ocupar mais de metade da secção do tronco. As suas folhas são folhas persistentes, em forma de agulhas agrupadas aos pares, com 10 a 25 centímetros de comprimento. Tem uma ramificação verticilada, densa, os ramos quando são jovens são muito espaçados e amplos.

Tem floração monóica, ou seja as flores masculinas e femininas estão reunidas num mesmo pé. As suas flores masculina estão dispostas em inflorescências douradas, com forma de espiga, agrupadas lateralmente nos ramos longo do terço inferior dos raminhos novos; e as flores femininas estão dispostas em inflorescências terminais. A sua floração começa em Fevereiro e acaba em Março.

As pinhas ou cones, com entre 8 a 22 cm de comprimento por 5 a 8 cm de largura, simétricas ou quase simétricas, são castanhas claras e brilhantes quando maduras. Amadurecem no final do Verão do segundo ano e libertam numerosas sementes com uma asa, vulgarmente designada por pinhão.
Essência florestal de grande interesse económico foi abundantemente plantada pois proporciona uma grande produção de madeira, protege contra o vento, e devido ao seu enraizamento radical aprumado e profundo como fixador de dunas, além de permitir a recuperação de solos pobres e erosionados. A madeira, resinosa, clara, avermelhada ou castanho-avermelhado, com abundantes nós é durável, pesada e pouco flexível, então é utilizada em mobiliário, postes, cofragem, caixotaria, aglomerados, carpintaria, construção naval, combustível e celulose. Extrai-se a resina, para ser usada na indústria de tintas, vernizes e aguarrás. A casca do tronco é rica em tanino e é usada no curtimento de peles.

Actualmente, o Pinheiro representa cerca de 40% da área florestal, ou seja 1 300 000 hectares em todo o País, quer em povoamentos puros, quer em mistos dominantes. Todavia, exige-se hoje uma gestão mais cuidada do pinhal, a fim de garantir um melhor rendimento de exploração.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Hino de Lafões



É um jardim
E não há no mundo
Um lugar assim!
Tem flores nos montes
Regatos e fontes
D' águas cristalinas.
Formosas meninas
E outras coisas finas
Tudo do melhor.
Tem um belo rio
Onde pelo estio
Vão ninfas nadar...
E a brisa e o luar
São cheias de Serras
Todas estas terras

Por onde nascemos.
Ainda assim vivemos
Com o que temos
Melhor que ninguém.
Das terras que vi
Como estas daqui

Oh! não há nenhuma...
Encerram, em suma
Belezas mais que uma
Que as outras não têm.
Lafões

Sabem murmurar
Cantigas de amor!
(Variante)
Flores pelos montes
Regatos e fontes
De águas cristalinas
Formosas meninas
E outras coisas finas
Tudo do mais puro.
E um belo rio
Onde pelo estio
Nos vamos banhar
E às vezes pescar
E ouvir tocar
O José do Muro.
O José do Muro

É um rapaz de truz
Grande brincalhão.
De banza na mão
Faz a animação
Da rapaziada.


Se ele se vai embora
Toda a gente chora
E não é p'ra rir.

Não se torna a ouvir (*)
Não se torna a ouvir
Uma guitarrada.
Tem a Boavista

Que é um paraíso
Um céu verdadeiro
Tem o meu Outeiro
Talvez o primeiro
Em amenidade

Tem o S. Cristóvão
Que fica de fronte
Ali de Olheirão ...

Não é mangação
Parece a mansão
D'uma divindade
Que largo horizonte
Te engrinalda afronte
Vila de Oliveira!
És como a palmeira
Olhando altaneira
Por esse amplo azul!
Mais além Vouzela
Se esconde no Zela
Púdica , modesta.
Em trajes de festa
Vai tomando a sesta
S. Pedro do Sul.





domingo, 12 de junho de 2011

Tear-Mantas de Trapos




Lembro-me com saudade da minha avó Laura, a juntar todos os trapos, gastos pelo uso, normalmente peças de roupa que se deixavam de usar, recolhidas de familiares ou de amigos.
Com alguma paciência rasgava o tecido em tiras que posteriormente cosia umas ás outras, originado um novelo que ía aumentando gradualmente. Quando o tamanho do mesmo já era considerável era a tecedeira que entrava em acção produzindo tapetes, passadeiras e mantas multicolores, que embelezavam o interior das habitações.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Contrastes




Ao viajar num intervalo do tempo, refugiei-me durante um período curto, em Antelas, procurando refazer ideias.
No intermédio resolvi fazer um passeio pedonal e rever locais que outrora percorria com uma maior regularidade.
No trajecto deparei-me com a construção de uma casa com traços futuristas, linhas rectilinias,com a incorporação de materiais mais evoluídos tais como o poliestireno extrudido ou o concreto translúcido, passando pelos paineis solares visando o aproveitamento das energias. Repousei durante alguns minutos e pensei na evolução,que por vezes incontrolável acaba por desvirtuar o belo e a traça original que ainda permanece por vezes intocável no nosso imaginário.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

O Meu Avô



Passei alguns períodos da minha vida em estreita comunhão com o meu avô, normalmente em períodos de férias ou nas quadras festivas.
Homem integro com a capacidade de se fazer respeitar por todos aqueles que o rodeavam. A sua palavra valia mais do que um qualquer contrato assinado entre ambas as partes, a sua postura embrenhava-se no nosso imaginário e todos nós o venerávamos.
Aqui fica a comemoração do seu último aniversário de vida..noventa e dois anos de uma vida de trabalho em prol da família.
Um bem haja pela sabedoria e respeito que incutiu em todos nós!

quinta-feira, 31 de março de 2011

O ENTREMEZ



O entremez (ou acto único, como também já se lhe tem chamado) consistia quase sempre numa peça curta que explorava, por vezes com acuidade cómico-satírica de recorte moral mais ou menos sincero, os multiformes flagrantes da vida real, conferindo-lhes um teor abertamente burlesco, através da linguagem utilizada, das situações expostas e das personagens apresentadas.
Quando criança e acompanhado pelos meus pais, deslocávamos-nos a algumas povoações vizinhas, caso particular de Cercosa. Hoje e passados anos está bem viva na minha memória esses momentos de puro entretenimento. Mas a sociedade evoluiu, as ofertas multiplicaram-se e o entremez foi caindo no esquecimento. Mas quem conheceu esta forma de cultura não esquece o seu valor.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

A PODA



A poda é um dos actos que está directamente ligado ao trabalho da vinha, no nosso caso sabemos que deve ser feito, porque as gerações que nos antecederam o faziam, é verdade que muitos de nós nunca nos questionámos sobre estas coisas, é assim porque é assim, mas que se ao logo dos anos o fizeram por alguma razão foi.
Vamos tentar olhar olhar para a poda, questionando e tentando perceber.
Em Lafões o vinho americano é rei e senhor e a sua produção ainda se cumpre todos os anos, se bem com menos volume do que em tempos idos. Mas, como tudo, a vinha necessita de cuidados para que a época das colheitas seja proveitosa. As vinhas estão sujeitas a amanhos que, em grande parte,não diferem daqueles que se praticam em todas as regiões que têm nas vinhas parte dos seus trabalhos. Enxertia, poda, empa e rega são quatro procedimentos chave na construção de uma vinha.

Mas então o que é a poda?
Não é mais do que o corte de certas varas, com o fim aumentar a qualidade das uvas e melhorar as condições de produção da videira, conseguindo-se assim que as raízes possam estar proporcionais às vides que no futuro irão ser a ramagem da videira .

Quando é que deve ser feita a poda?
A poda deve ser feita quando as folhas já estão a a cair, ou seja aquilo que chamam o descanso vegetativo. Mas devemos ter também em atenção a nossa região pois se a poda for feita na altura das maiores geadas os cortes da poda podem demorar a cicatrizar.
Nunca se deve podar a seguir à vindima porque as folhas ainda estão a trabalhar e não foi ainda dado inicio ao processo de emigração das substâncias que estão nas folhas para as varas e cepas da videira.

O que aconteceria se as videiras não fossem podadas?
Se as videiras não fossem podadas as suas varas iam crescer muito finas, todas embrulhadas e os seus cachos seriam muitos e de bagos pequenos (com pouco sumo) em que o seu amadurecimento acabaria por ser irregular, acabando por produzir um vinho de baixa qualidade.

Porque podamos?
Além de querermos obter cachos maiores e com maior teor de sumo , com elevados teores de açúcar que dão origem a vinhos com maior graduação, queremos que a videira mantenha a sua produção constante ao longo dos anos e que além disso nos permita tratar da videira facilmente, quer seja a atar a por os paus, a sulfatar ou a cavar a terra (amanhar).

Atenção a ter na poda
Os cortes devem ser sempre bem rentes, lisos para que o corte cicatrize rapidamente e convenientemente. Nas varas, os cortes devem fazer-se um centímetro acima dos olhos (gomo). Os braços e os ramos mais grossos cortam-se com serrote, sendo depois o golpe alisado com uma navalha.
Deve ter-se o cuidado em fazer o menor número de cortes e que a grossura dos ramos cortados não seja muito grande, porque a cicatrização é tanto mais fácil, quanto menor for a grossura do ramo cortado.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

As Janeiras



As janeiras já estão na rua um pouco por toda a região de Lafões.
Formam-se em grupos,alguns com várias dezenas de elementos, que cantam e animam as localidades,deslocando-se de casa em casa, ou posicionado-se num local central, desejando um bom Ano a todos os presentes.
No grupo de janeireiros, tocam-se vários instrumentos musicais, tais como a pandeireta, ferrinhos, tambores,e outros que se integram numa vasta panóplia. Em muitas aldeias esta tradição ainda se mantém viva, especialmente no Norte de Portugal, nas Beiras, mais concretamente na região de Lafões.

O TEMPO JÁ NÃO É O QUE ERA

Em alguns locais da vila de Oliveira de Frades o gelo atingiu "quase um metro". A "saraivada" ocorreu cerca das 16...