quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

"O Morangueiro"




O morangueiro é um vinho em geral de cor violácea a rosada, com um intenso aroma frutado, que nalgumas circunstâncias lembra o cheiro do morango (daí o nome). Tem em geral baixa graduação alcoólica (7 a 10%), o que dificulta a sua conservação, transformando-se rapidamente em vinagre se exposto ao ar. Tal obriga a que o vinho seja normalmente consumido no ano de produção, sendo em geral os restos destilados para aguardente. Apesar dos enólogos o considerarem de muito baixa qualidade, o morangueiro é refrescante e por ser intensamente aromático é utilizado em refrescos (com uma bebida gasosa) e em culinária, continuando a ter grande número de apreciadores. Os produtores inter-específicos resultam do cruzamento entre uma vitis vinífera e uma vitis americana, solução encontrada para obter vinhas resistentes à filoxera. Os produtores directos americanos são cultores de vitis americana.  O morangueiro apareceu em Portugal na sequência da destruição dos vinhedos tradicionais causada pela filoxera. Ganhou particular relevo no norte do país (nomeadamente no Minho e no Douro Litoral), abrangendo zonas que pela sua humidade e altitude não permitem o cultivo da vinha europeia. Foi nessas zonas que este vinho ganhou maior adesão popular, particularmente porque as vinhas americanas produziam mais que as europeias. A competição feita aos bons vinhos foi intensa, redundando na proibição da comercialização do morangueiro. Nos Açores, a introdução das vinhas americanas, em particular da casta Isabel, levou ao quase desaparecimento das vinhas europeias, sendo ali produzido, em quantidade assinalável, um vinho do tipo morangueiro denominado vinho de cheiro, o qual é comercializado (em violação das normas europeias) e tem um importante papel na culinária e nas festividades tradicionais (é o vinho usado nos bodos dos Impérios do Divino Espírito Santo. No Brasil o morangueiro tem alguma presença no sul do país, não tendo qualquer importância comercial. Em Portugal a comercialização do morangueiro é proibida desde há algumas décadas, embora fosse amplamente tolerada. A União Europeia, a instâncias dos Estados membros produtores de vinho, proíbe a comercialização no espaço comunitário desde 1995, tendo, contudo, anunciado recentemente a intenção de rever essa norma. Em Trás-os-Montes, a eventual alteração legislativa poderá ter um reflexo positivo, pois permitirá reabilitar a produção deste vinho em alguns concelhos, nomeadamente em Montalegre (Covelo do Gerês), Boticas e Vila Pouca de Aguiar, zonas onde era tradicional. O mesmo acontece no Alto Minho e em certas localidades do Douro Litoral. Embora a proibição do vinho morangueiro se deva essencialmente a razões de protecção comercial aos vinhos de castas europeias, tem sido consistentemente alegado que o morangueiro é nocivo para a saúde pela presença do flavonóide malvina, a antocianina corante que lhe dá o tom violáceo, e por ser rico em metanol. Este último composto resulta do facto de algumas castas varietais (Noah, Isabelle, Concord e Ives) darem uvas com elevada acidez, pouco açúcar e película rica em pectina. Nestas circunstâncias, a pectina pode ser desdobrada em metanol por efeito das enzimas naturais. O metanol é altamente tóxico, afectando severamente, mesmo em pequenas concentrações, os olhos. Estudos mais recentes vieram lançar dúvidas sobre os efeitos nefastos da malvina e demonstrar que a presença de metanol é mais o resultado da má vinificação do que das características intrínsecas das uvas americanas. É com base nesses estudos que a Comissão Europeia admite que as castas interespecíficas não são necessariamente produtoras de vinho de má qualidade e que nem sempre põem em risco a saúde. Recomenda contudo, muita precaução quanto à sua elaboração, tendo em conta a percentagem de acidez do mosto e a sua relação directa com a presença de metanol.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

sábado, 20 de dezembro de 2008

Canastros/Espigueiros



 O canastro, também chamado espigueiro ou caniço, é uma estrutura normalmente de pedra e madeira,existindo no entanto alguns inteiramente de pedra, com a função de secar o milho grosso através das fissuras laterais, e ao mesmo tempo impedir a destruição do mesmo por roedores através da elevação deste. Como o milho requer que seja colhido no Outono, este precisa de estar o mais arejado possível para secar numa estação tão adversa como o Inverno. Os telhados eram essencialmente de colmo, mas há em lousa e mais recentemente em telha antiga. O chão era geralmente feito em madeira. Desconhece-se a origem dos primeiros canastros, mas pensa-se que possam ter origem na época do Castros. Se comparamos os canastros feitos com as construções nos antigos "Castros" vemos que seguem uma estrutura semelhante, podendo pensar-se que os canastros são uma variante dessa construção. Por isso penso que se devem tomar medidas protectoras na tentativa de preservar estas construções ancestrais, o que será uma mais valia para o nosso património e para a nossa cultura. 

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Panóplias


Grande parte da minha infância durante o meu período de férias ,foi passada nesta povoação ,e no dia a dia, trocavam-se palavras com normalidade sobre nomes de terras de cultivo, que me deixavam ficar a pensar ,já nessa altura, qual  a origem das mesmas?
Por vezes interrogava algumas pessoas, tentando obter elementos para a natureza das ditas cujas , mas na maioria das vezes davam-me a seguinte resposta:"Sabes, isso já vem do tempo dos nossos avós" e mais não adiantavam.
Aqui fica uma panóplia desses mesmos nomes: 
Regadinha,Calvel,Bouço,Carvalhinho,Ribeira d'Além,Chão do Nabal,Lameiro do 
Coelho, Outeiro Quebrado,Coxinhos,Manguitos e muitas mais.


Portugal e Brasil unidos com troca de afetos em Lafões

Portugal e o Brasil têm inestimáveis laços construídos ao longo de centenas de anos. Países irmãos, cujas histórias se cruzam e entrelaçam c...